Karla

karla nomade

Nomade

Cairo – Turismo no Egito

Cairo é a capital do Egito e a cidade mais importante do país. Com quase 20 milhões de habitantes na região metropolitana, é a cidade mais povoada da África.

Cairo é o primeiro capítulo do diário que escrevi enquanto estive 15 dias no Egito. Nele relato as experiencias vividas e impressões tão intensamente experimentadas na viagem pelo país,  e como não poderia deixar de ser, compartilho  agora com vocês esses registros. 

Cairo foi nossa porta de chegada no Egito. Leia também sobre Assuã e Templo de Philae

Passamos três dias em Cairo. Nos dois primeiros dias fizemos o programa turístico, visitamos as pirâmides museus etc mas também nos aventuramos pelo mundo paralelo ao turismo. Pegamos o metrô várias vezes, O que foi por si só uma aventura a parte.

 Confesso que é realmente difícil descrever uma cidade como Cairo.

São muitos contrastes. Muitas sensações.

Mas se eu fosse descrever com poucas palavras, seriam: é tudo muito! Muita gente, muito barulho, muita poluição, muito lixo, muito grande, muito interessante, muito engarrafamento, muita buzina, muita história, muita intensidade, muito, muito muito.

Centro de Cairo

O centro de Cairo foi projetado por prestigiosos arquitetos franceses que foram contratados por Khedive Ismail durante sua visita a Paris e, desde então, ele queria tornar a capital do reino egípcio melhor que Paris e ser a joia do oriente com um planejamento urbano e estilo arquitetônico europeu, com  ruas largas e lineares, harmonia geométrica  moderno.

Certamente notamos os traços deste passado onde existia uma elite próspera no final do século 19 e início do século 20. Foi a Belle Époque do Egito!

 No entanto, décadas de negligência dos proprietários, governo e inquilinos, e a consequente partida das classes altas transformaram o esplendor de seus ornamentos em edifícios decadentes. 

Transporte público

Percebemos que os turistas evitam o metrô e transportes coletivos, consequentemente os locais nos olhavam com surpresa, principalmente o Martin alemão com 1.90 de altura.

Em uma das viagens por exemplo ficamos em pé no meio de um círculo e todos ao redor fazendo piadas e rindo da gente. Nós permanecemos tranquilos sorridentes e tudo terminou bem.

Mas isso foi um episódio isolado. A maioria das pessoas foi muito bacana com a gente, ofereceram ajuda quando nos viram perdidos nas estações, oferecer um assento para nós e e em nenhum momento me sentir ameaçada. 

Mas, sim é estressante andar de metrô em Cairo. Primeiro porque é muito cheio, e segundo porque é muito cheio de homens que não toleram mulheres livres. Mas como eu sou apenas uma viajante responsável, eu respeito e não me importo. 

 

O Trânsito

O trânsito de Cairo é extremamente caótico. Muitos carros velhos, os motoristas não usam cinto de segurança, carregam as crianças nos bancos da frente, bebês no colo, pessoas além da capacidade. Os motociclistas não usam capacetes e também carregam mais de duas pessoas e crianças na frente totalmente sem proteção. É um choque. Não tem como descrever. 

Um dos motoristas que nos guiou para alguns pontos turísticos nos revelou que muitos motoristas circulam sem a carteira de habilitação e muitos a compram. 

O barulho de buzina é ensurdecedor. Eles buzinam o tempo todo. A buzina faz parte do dirigir. Sim, é enlouquecedor. E os pedestres não tem muita opção de calçadas, pois nem sempre elas são pavimentadas e as pessoas andam nas ruas entre os carros, ou seja, não é uma cidade fácil de se locomover a pé. Também quase não tem sinais de trânsito. As ruas são bem difíceis de atravessar. 

Sim, é um trânsito selvagem, mas como nosso tempo lá não foi tão longo, certamente vira diversão. 

Andar pelas ruas fora do circuito turístico de Cairo

Nós adeptos da viagem sustentável sabemos que a melhor forma de conhecer um local é andar a pé sem muitos planos, apenas se deixar levar pelo fluxo das ruas. 

E assim tivemos uma ótima experiência fora dos programas turísticos. Caminhar pelo grande labirinto que é o maior mercado da capital, o  El Ataba Market é como uma cidade dentro da cidade.

O mercado não é como os mercados em geral, e é o menos turístico, porém o mais lotado e barulhento. São milhões de pessoas estão comprando e vendendo diariamente. Muitas vezes a mercadoria fica exposta no chão. 

Nesta caminhada que durou horas, eu tive apenas um episódio desagradável. Eu andava distraída tentando absorver tantas diferentes informações,  quando um homem colocou sua face bem na minha frente e gritou comigo. Eu não preciso entender árabe para saber que foi um grande insulto.  

Ele demonstrou com sua expressão facial e seu tom de voz o quanto odeia mulheres livres.

Eu me assustei, mas rapidamente deixei de pensar no episódio e continuei a explorar a cidade.

Foi realmente sensacional andar pela suas barulhentas, empoeiradas e extremamente cheias. Sentir o cheiro, olhar nos olhos, conhecer o estilo de vida uma cultura diferente. Essa é a beleza e a magia de viajar pelo mundo.

Sempre há algo novo para descobrir, pois a cidade está cheia de tesouros escondidos. Se você se perder, os habitantes amigáveis o ajudarão a encontrar o caminho para desfrutar Cairo.

Restaurantes, comidas e bebidas​

top dica

Cairo não é como as grandes cidades que a oferta de restaurantes é infinita. Muito pelo contrário. É muito difícil encontrar um bom restaurante na cidade. O forte da cidade são as comidas de rua. Mas como a água da cidade é extremamente suja, não arrisque.

 

Os cafés também são raros. Nós até experimentamos ir a um café daqueles antigos estilo europeu mas a experiência não foi das melhores assim como tudo que foi um dia magnífico na cidade o café também estava em decadência. Sem falar no desconforto que é comer com pessoas fumando o tempo todo ao nosso lado, pois em Cairo as pessoas podem fumar nos restaurantes e nos ambientes internos.

 

 Nós comemos em um restaurante que nosso guia turístico nos levou. A comida típica era muito boa, apesar de cara para qualidade. Eles cobram taxas sem avisar. Aliás não nos foi dado nem ao menos um cardápio com preço. E o dono do restaurante sentou-se duas meses atrás da nossa e  vigiou tempo todo o que estávamos fazendo.

Foi um tanto estranho mas nada que também estragasse nosso momento de almoço.

 

 

Comemos também uma vez em um mercado mas o lugar que nos levou foi o nosso guia. As outras refeições foram o mesmo no hotel.  Bebida alcoólica não se encontra fácil também. Muitas vezes nem nos hotéis estão disponíveis e quando estão são extremamente caras. Então aproveite pra fazer uma desintoxicação do álcool em seu organismo. Foi o que eu fiz.

O Chá de hibisco gelado é maravilhoso.

Museu Egípcio

O Museu Egípcio é o mais importante museu do Egito. Nele encontramos uma impressionante, coleção composta por mais de 120.000 antiguidades egípcias, reencontradas nas inúmeras escavações.

A última das Sete Maravilhas do Mundo Antigo A Grande Pirâmide de Gizé

A maioria das pessoas que visitam o Egito, tem o propósito de visitar as pirâmides, é claro!

 As misteriosas, inexplicáveis, gigantescas e místicas construções estão lá cerca de 5000 anos. É realmente fascinante ver algo assim. Além do mais a Grande pirâmide de Gizé é a última das sete maravilhas do mundo antigo. Fantástico poder conhecê-la. 

Mas, o que a maioria das pessoas não espera é que elas estão praticamente dentro da cidade.

 As fotos que vemos das pirâmides nos faz fantasiar que elas ficam no meio do deserto, e são  de difícil acesso. Por exemplo quando eu era criança acreditava que para chegar nas pirâmides era preciso andar por um tempo no deserto com nada ao redor e de repente veria as monumentais construções protegidos pelas esfinge. 

O que acontece é totalmente diferente. Tirando a parte do difícil acesso – não por causa da localização mas sim, por causa do trânsito caótico de Cairo e Gisa, que são as duas cidades que vivem juntas e são apenas divididas pelo rio Nilo.  Juntas, elas têm mais de 20 milhões de habitantes. 

As pirâmides ficam em um subúrbio de Giza. O que significa que precisamos passar por uma área extremamente pobre e suja da cidade,  e enfrentar um engarrafamento medonho.

 Na entrada do complexo das pirâmides a luta é com milhares de turistas se espremendo para conseguir comprar ingressos e depois passar pelo raio X. 

 

 

A Esfinge​

O termo esfinge derivada da língua egípcia “shesep-ankh”, que significa “imagem viva”, ou seja, ela atuaria como um guardião da Península de Gizé, representando a força do Faraó.

A esfinge era um monstro alado com corpo de mulher e leão que afligia a cidade de Tebas. Primeiramente apresentava aos homens o seguinte enigma: “Que animal anda pela manhã sobre quatro patas, a tarde sobre duas e a noite sobre três?” como nenhum dos homens conseguiu decifrar tal enigma, a esfinge os devorava.

 

A esfinge fica em uma entrada diferente das pirâmides e é preciso ter  muita paciência para conseguir uma foto e limpa. O local, como é de se esperar, é muito cheio.

Ou seja não existe aquela pintura da esfinge em frente das pirâmides no deserto.  

Você já ciente disso, não se estresse. Muito menos com os vendedores ambulantes. Os vendedores e donos de camelos estão lá fazendo negócio deles é a vida deles é diferente do que muitos dizem eles desistem logo após segundo ou terceiro não.

 

Os passeio de camelo que são oferecidos nas pirâmides leva uma vista mais exclusiva onde pode se ver as seis pirâmides alinhadas. A vantagem é poder abstrair de tudo e todos em volta de uma experiência individual em relação as pirâmides elas são mágicas magníficas mas não cabe a mim descrever descrever a minha experiência.

Cairo Copta​

O Cairo Copta, o bairro onde se concentram igrejas da segunda maior religião de um país quase 90% muçulmano, é um contraste com o resto da capital egípcia, onde é possível visitar o que se diz ser o esconderijo da Sagrada Família durante a sua fuga para o Egipto.

Sustentabilidade

Curiosidade sobre uma das invenções sustentáveis dos antigos egípcios


Foram os egípcios que criaram o substituto do papel –  as folhas de papiro.  Isso ocorreu há milhares de anos. Trata-se das folhas feitas a partir da planta papiro, que tem seu interior fibroso, tornando-as duráveis e perfeitos materiais de escrita.

O que vestir em uma viagem no Egito

Apesar do Egito ser um país islâmico, pelo fato de receber muitos turistas, é possível se vestir da for ma ocidental com decência sem problemas. É bom que tanto os homens quanto as mulheres cubram as pernas e não exibam o corpo em respeito a cultura local, principalmente para as mulheres que estiverem viajando sozinhas. 

Existem muitas mulheres usando Burca no Egito, mas principalmente fora da capital. Então é só ter um pouco de bom senso que dá tudo certo. 

Dúvidas com sua mala de viagem? Clique aqui. 

Você poderá também gostar das postagens

Share:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

2 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte + dezoito =

Recent posts

COMO VIAJAR DE FORMA SUSTENTÁVEL

Hi there! Join the nomadic soul tribe!

Subscribe to my newsletter and get exclusive sustainable travel tips!