Karla

karla nomade

Nomade

Alemanha: 10 razões pelas quais ela atravessa a crise coronavírus melhor que outros países

Este número pode ser assustador: a economia alemã caiu 2,2% no primeiro trimestre.

Nunca houve um declínio tão acentuado em três meses desde a crise financeira. É também a segunda queda mais grave desde a reunificação.

Mas por mais dramático que isso seja, também mostra que a Alemanha ainda está lidando comparativamente bem com as conseqüências da pandemia do coronavírus. “Em comparação com muitos outros países, a economia alemã deve sair da crise mais rápido e melhor”, diz Katharina Utermöhl, economista sênior para a Europa da Allianz.

Vários países já olham para a Alemanha como um exemplo. A estação americana CNN explica o que o presidente Donald Trump pode aprender com a chanceler Angela Merkel sobre como lidar com o coronavírus. O New York Times brinca que o político da CDU seria o vice-presidente perfeito ao lado de Joe Biden. E o economista britânico afirma: “Se há um grande país europeu que pode ser dito que passou bem a crise da coroa até agora, é a Alemanha”.

 

1. outros países apresentam desempenho muito pior


“Em comparação com o resto da Europa, a queda do produto interno bruto na Alemanha ainda foi moderada”, diz Albert Braakmann, do Instituto Federal de Estatística, que apresentou os números trimestrais na sexta-feira. A França, por exemplo, está em uma posição econômica muito pior do que a Alemanha: a queda no primeiro trimestre foi de 5,8%, a maior desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Nem mesmo em 1968, quando tumultos estudantis e greves gerais paralisaram a França, a economia entrou em colapso em um trimestre tão acentuado quanto desde então. Outros estados da UE também estão reportando perdas muito maiores do que a Alemanha: na Itália, a economia encolheu 4,7% no primeiro trimestre, na Espanha 5,2% e na Bélgica 3,9%.

2. a previsão para a Alemanha é comparativamente boa

As últimas previsões para o ano como um todo indicam que a Alemanha está atravessando a crise melhor do que a maioria de seus vizinhos europeus. Embora a Comissão Européia também espere uma queda econômica de 6,5% em 2020 para aAlemanha, a previsão para outros países da zona do euro é muito mais sombria: Para a França, Bruxelas prevê um menos de 8,2 por cento. A crise coronavírus também está atingindo a Espanha, Itália e Grécia de forma particularmente dura, onde se espera que a produção econômica caia mais de nove por cento em cada caso. Apenas para Áustria, Finlândia, Luxemburgo e Malta é a previsão melhor do que para a Alemanha.

3. o consumo de energia elétrica diminui menos do que em qualquer outro lugar

O fato de a Alemanha ainda estar passando pela crise comparativamente incólume também se reflete em seu consumo de eletricidade. É verdade que também caiu aqui na Alemanha: desde meados de março em cerca de 8% nos dias de semana. Mas em uma comparação européia isto é uma pequena diminuição, escrevem os especialistas do Instituto Kiel para a Economia Mundial (IfW). Na Espanha e na Itália, por exemplo, o consumo de eletricidade caiu em um terço. Este é outro sinal de que as economias destes países têm sido muito mais atingidas. Isto porque a maior parte da eletricidade é utilizada pela indústria.

Se o consumo de eletricidade cair, isso significa que a produção será drasticamente reduzida. Como outros dados econômicos são sempre coletados com defasagem no tempo, os economistas estão, portanto, olhando com particular atenção para o consumo de eletricidade.

4. os alemães ainda são relativamente ativos

Apesar das restrições devido ao coronavírus, os alemães ainda são bastante ativos. Suas vidas mudaram muito menos do que em outros países da UE. Isto é demonstrado pelos dados de movimento que o Google está publicando regularmente para cada país. A empresa de tecnologia pode usar os dados do celular de seus usuários para rastrear em tempo real quanto e para onde as pessoas estão se deslocando. Em comparação com o tempo anterior à pandemia, os alemães reduziram as visitas a lojas ou instalações recreativas em 33%. Também passaram menos tempo nas estações de trem (-28%) e muitas pessoas não precisaram viajar para trabalhar (-35%).

No entanto, isto significa que a vida pública neste país foi congelada muito menos do que na França, por exemplo, onde houve um rigoroso toque de recolher. O número de visitas a lojas e instalações recreativas diminuiu em 69%, e o de estações de trem em 70%. Os dados para a Grã-Bretanha são semelhantes. Isto significa que os alemães têm gozado de muito mais liberdade de movimento, apesar do coronavírus. Isso também beneficia o comércio varejista, cujos negócios também caíram no país, mas presumivelmente não tão acentuadamente quanto em outros lugares.

5. O Shutdown foi mais curto

Muito depende atualmente de quanto tempo um país tem que fechar a sua economia devido à pandemia. Toda semana que as lojas ficam fechadas e as fábricas fecham custa milhares de milhões. A Alemanha se beneficia do fato de que o bloqueio no país foi relativamente curto, com pouco mais de cinco semanas. A França, por outro lado, fechou tudo durante dois meses. Além disso, alguns trabalhos continuaram funcionando, como no canteiro de obras, por exemplo.

6. O clima nas corporações é melhor

 

Esta é provavelmente uma das razões pelas quais os gestores das empresas estão agora olhando para o futuro com um pouco mais de otimismo. Isso é demonstrado, por exemplo, em um estudo da consultoria de gestão PWC, que atualmente pergunta regularmente aos CFOs de todo o mundo o que eles pensam sobre a crise coronavírus. No final de abril, um total de 70% disseram que estavam muito preocupados. Já os CFOs alemães estão muito mais confiantes: menos da metade deles (44%) estão preocupados.

7. A Alemanha é menos dependente do turismo

O quão bem um país supera a crise do coronavírus também depende de sua estrutura econômica. Especialmente países do sul da Europa, como Itália ou Espanha, são fortemente dependentes do turismo. Mas sabemos que vai demorar um pouco até vermos um retorno à normalidade no turismo. Mesmo que as viagens sejam possíveis novamente, os números de reservas permanecerão abaixo da média por algum tempo. Isto está atingindo principalmente a Espanha e a Itália, países onde tem havido um número particularmente alto de infecções de coronavírus.

A economia alemã, por outro lado, depende principalmente da indústria. Ela também sofreu com a paralisação e ainda sente os efeitos da menor demanda. No entanto, a recuperação neste setor deve ser muito mais rápida do que no turismo.

 8. O desemprego está aumentando menos acentuadamente

Como no rescaldo da crise financeira, o trabalho em horário reduzido parece estar provando seu valor na Alemanha. Guy Ryder, chefe da Organização Internacional do Trabalho (OIT), por exemplo, está cheio de elogios: ele diz que este é um exemplo para o mundo de como lidar com a crise. De fato, graças ao trabalho em horário reduzido, as empresas alemãs parecem ser capazes de salvar vários empregos. Eles têm que dispensar menos pessoas do que seus concorrentes do exterior. Pelo menos é isso que a Comissão da UE assume. Prevê um aumento do desemprego para 4% também para a Alemanha. Mas isso é pouco em comparação com a taxa de desemprego de 9,4% que Bruxelas espera para a zona euro, em média. Na França, até 10% das pessoas capazes de trabalhar podem estar desempregadas até o final do ano.

9 A reserva financeira da Alemanha é maior


No exterior, a parcimônia da Alemanha tem sido repetidamente ridicularizada nos últimos anos. Após a crise financeira, foi um dos poucos países a ter sua dívida nacional sob controle. Recentemente, a produção econômica ficou em 62%, ou seja, menos do que antes da última crise.

Em outros países, por outro lado, a dívida nacional tem aumentado acentuadamente nesse meio tempo. Antes da eclosão da crise financeira, a França estava endividada em grau semelhante ao da Alemanha; hoje a dívida nacional no país vizinho é de 98% do produto econômico. Todos os outros países do G7 também viram sua dívida nacional aumentar acentuadamente nos últimos anos – com exceção da Alemanha.

10. A Alemanha tomou contramedidas mais rápidas e fortes

Isso dá ao governo alemão a margem financeira necessária para agora lutar com força contra as conseqüências econômicas da pandemia do coronavírus. Em março, o SPD e a CDU, em unanimidade incomum, aumentaram os recursos para os empréstimos do KfW, decidiram sobre auxílios imediatos às empresas, impostos diferidos e ampliaram a verba para trabalho em horário reduzido. “O pacote de resgate é tão grande que corresponde a cerca de 30% da produção econômica”, disse Utermöhl.

Outros países pagaram muito menos para salvar a economia. A Espanha, por exemplo, prometeu apenas 12% de sua produção econômica, embora o país seja muito mais severamente afetado pela pandemia da coroa. 

Você também poderá gostar das postagens

Share:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze + 3 =

Recent posts

COMO VIAJAR DE FORMA SUSTENTÁVEL

Hi there! Join the nomadic soul tribe!

Subscribe to my newsletter and get exclusive sustainable travel tips!