Karla

karla nomade

Nomade

Coronavírus em Berlim: Milhares de pessoas reunidas sem distanciamento

Os números de casos de coronavírus em Berlim têm diminuído nos últimos dias. Certamente o grande responsável por isso foi o distanciamento social.

Mas apesar das regras para evitar a disseminação da pandemia, milhares de pessoas se reúnem no sábado na Alexanderplatz, em Berlim. 

15.000 pessoas se reuniram na Alexanderplatz

As manifestações aos sábados já se tornaram tradicionais em Berlim nos tempos de coronavírus. 

Analogamente no sábado dia 06/06, a cidade presenciou na Alexanderplatz, 15 mil pessoas na “Demo Silenciosa” contra o racismo e a violência policial.

A manifestação foi desencadeada pela morte do afro-americano George Floyd, que foi assassinado por um policial branco em 25 de maio na metrópole americana de Minneapolis, durante uma brutal operação policial.

O número registrado de 1500 participantes na última semana já tinha sido ultrapassado no início da manifestação. Cerca de 8500 pessoas já haviam confirmado sua participação no evento do Facebook na manhã de sábado, e cerca de 9500 manifestaram seu interesse. 

O distânciamento social quebradro, e agora? Os casos de coronavírus em Berlim irão aumentar?

No início dos protestos, a polícia elogiou os esforços dos manifestantes para aderir às regras do distanciamento. No entanto, quando pouco depois das 14h mais e mais pessoas entraram na Alexanderplatz, já não era possível manter uma distância segura.

Cerca de uma hora depois, a polícia chamou por alto-falantes para parar de entrar na praça. “Não queremos que o pânico se instale em massa”, disseram eles.

Com o distanciamento quebrado, minha pergunta é: os números dos casos de coronavírus em Berlim continuarão a descer, ou todo os esforços feitos até aqui para controlar o vírus foram em vão?

Segundo a polícia, um total de 93 pessoas foram presas – 16 delas por violação da lei de protecção contra infecções.

Os manifestantes relatam que uma grande parte das pessoas usavam máscaras, mas que a distância mínima prescrita na praça não podia mais ser mantida durante o protesto.

Políticos demonstram preocupação com multidões reunidas

O Ministro Federal da Saúde Jens Spahn (CDU) expressou sua preocupação com as fotos dos protestos do final de semana: “A luta contra o racismo precisa do nosso compromisso conjunto. Todos os dias. Mas multidões apinhadas no meio de uma pandemia preocupam-me.” “Mantenham a distância, usem uma máscara, tomem conta uns dos outros. Para nos proteger a nós e aos outros, Spahn escreveu no Twitter.

Ele enfatizou: “Conseguimos muita coisa juntos. Agora cabe-nos a nós, através do nosso próprio comportamento, decidir se nós, alemães, temos a parte mais difícil da pandemia atrás de nós”.

Spahn continuou a avisar: “Após as semanas difíceis com severas restrições, a ameaça imediata já não é tão grande.” O número de infecções diminuiu. A experiência concreta de uma infecção ou de uma doença Covid-19 no seu próprio ambiente tornar-se-ia assim menor. “Isto deixa a impressão subjectiva de que o vírus já não está lá. Essa impressão é enganosa.”

A senadora de saúde de Berlim Dilek Kalayci (SPD) também apelou, após a “Demo Silenciosa”, à responsabilidade do povo de aderir às regras coronavírus em Berlim, durante as manifestações. “Na pandemia, tanto os organizadores como os participantes têm uma grande responsabilidade. Você também pode protestas à distância e usar proteção de boca e nariz. Temos tido sucesso na redução de novas infecções a um nível baixo. Mas isto não significa que a pandemia tenha acabado.” Disse Kalayci  à agência de imprensa alemã no domingo.

O direito de manifestação é um grande trunfo na nossa democracia e que as manifestações contra o racismo sejam realizadas é particularmente importante neste momento, salientou Kalayci. “A saúde das pessoas também é um grande bem.”

No fim-de-semana de Pentecostes milhares de pessoas protestaram

Já há uma semana, 3000 pessoas se tinham manifestado no Landwehrkanal.  a favor da cultura dos Clubs em Berlim,  ameaçada pelas restrições atuais.

O último comício aconteceu em frente ao Urban-Krankenhaus statt. A maioria dos participantes não observou as regras de distância, nem usou máscaras.

O enfermeiro de cuidados intensivos Ricardo Lange, que trabalha no Urban-Krankenhaus statt, condenou a manifestação. Ele compreenderia que os jovens precisam dos Clubs e que os operadores dos Clubs temem pela sua existência. Mas para que tal protesto em frente a um hospital? “Nele, pacientes e suas enfermeiras lutam por vidas”, diz Lange. Além da pandemia e das possíveis consequências da rave, ele se pergunta: “Será que nosso trabalho pode ser ridicularizado ainda mais claramente?

Você poderá também gostar das postagens

Share:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 − 6 =

Recent posts

COMO VIAJAR DE FORMA SUSTENTÁVEL

Hi there! Join the nomadic soul tribe!

Subscribe to my newsletter and get exclusive sustainable travel tips!